Cuidar de idoso: identificar e respeitar necessidades essenciais

Cuidar é uma mistura de arte e de técnica, emoção e razão, intuição e bom senso. Se é fácil juntar as palavras para descrever o que seja cuidar, não é tão fácil na hora de tomar decisões. Neste artigo, você encontrará a história de dona Genoveva que simboliza várias histórias reais e decisões também reais. Em seguida, você encontrará alguns pontos que precisam ser considerados quando temos que tomar decisões sobre aqueles que recebem nossos cuidados.

Recentes acontecimentos na história de dona Genoveva

Dona Genoveva, 84 anos, recentemente ficou viúva. Até então morava com o seu marido e vivia uma rotina própria para a idade do casal. Logo após a morte de seu marido, a família considerou que dona Genoveva não poderia mais viver sozinha e, como decisão, Genoveva foi morar com sua filha, genro e seus netos.


Ela está em uma situação bastante particular, já que sua filha e seu genro se desdobram para garantir que ela tenha toda forma de atenção possível. Reorganizaram espaços da casa e o tempo livre para que cada um compartilhe um pouco a responsabilidade de dar atenção à matriarca.


Entretanto, dona Genoveva sente falta de toda sua rotina como era antes, as saídas com o marido, a organização de sua própria casa... Na casa de sua filha ela receba muita atenção, está até se alimentando melhor, pois sua filha reorganizou sua alimentação de maneira mais adequada; também dona Genoveva se esforça cada vez menos já que sua filha se desdobra cada vez mais para realizar todos os serviços de sua mãe.


Mas dona Genoveva não se sente tão bem: sofre pela perda do marido e de muitas outras coisas como o ambiente de sua casa, sente falta da organização de suas coisas dentro de casa, ela sente falta da vida que ela tinha.


Recentemente houve um conflito entre a filha e a mãe. Dona Genoveva costumava frequentar às terças-feiras um encontro de senhoras da comunidade para rezar o terço. Como a filha nesse horário não pode acompanhar a mãe, resolveu não permitir que ela comparecesse aos encontros, mesmo que a casa da filha fique mais próximo do que a sua antiga casa e dona Genoveva considerou isso um peso muito grande...

Cuidar é interpretar necessidades

Cuidar é antes de tudo reconhecer, interpretar e responder às necessidades do outro.

Nós temos vários tipos de necessidades. Necessidade é tudo aquilo que garante a manutenção da nossa existência. Eu posso falar de uma necessidade física como alimentação, hidratação, repouso, exercício; sem essas coisas o corpo humano definha, mas posso falar também de necessidades sociais, por exemplo segurança, educação, formas de convivência e cultura.


O ser humano é depositário de um grande número de necessidades. Pode-se dizer que o ser humano é permanentemente indigente, ele é precário! Se certas necessidades não forem atendidas, a sua vida não se mantem.


Agora nós iremos analisar algumas necessidades propriamente humanas porque vão além das necessidades físicas; quando falamos desse tipo de necessidade ressaltamos necessidades que se relacionam com a liberdade e a vontade de cada pessoa. (Para uma consideração mais abrangente sobre os aspectos essenciais do cuidado, ver página 66 em diante em ENVELHECIMENTO & SOCIEDADE.)