COMO CONHECER A ORIGEM DE TODOS OS PECADOS: DESMASCARANDO A SOBERBA

Atualizado: 12 de Mar de 2020

Aproximar-se de Deus é graça


À medida em que o homem se aproxima de Deus, todo o seu ser tende a resplandecer a luz do Criador, do mesmo modo, à medida em que o homem de Deus se afasta, toda sua existência mergulha na escuridão. Por causa disso, desde muito cedo a comunidade cristã elaborou listas de pecados.


Mais do que elencar o que não pode ser feito, tais listas chamavam a atenção para atitudes de fechamento ao chamado de Deus; atitudes que dificultavam ou mesmo inviabilizavam a vida na graça. No Novo Testamento encontramos inúmeras listas, mas podemos mencionar as seguintes: Gl 5, 19-21; 1Cor 5, 9-11; 6, 9-10; Mc 4, 19; 7, 21-22; Rm 1, 29-31.


O que são os pecados capitais?

Foi graças à vida monástica que chegamos a um elenco de pecados ou vícios que nos propendem a outros pecados. São atitudes que encabeçam outros pecados. Em latim caput significa cabeça e seu plural capita dá origem à expressão: pecados capitais. Isto é, o elenco de atitudes pecaminosas que facilitam cometer outros pecados.


A história das listas é muito curiosa e interessante. Houve quem listasse 8 pecados, distinguindo vanglória e soberba, mas com o tempo os sete pecados capitais como os conhecemos ficou estabelecido: o orgulho, a avareza, a inveja, a ira, a luxúria, a gula, a preguiça (ou acídia) [Conferir Catecismo da Igreja Católica, nº 1866].


A soberba, mãe de todos os pecados

A raiz de todo pecado é a soberba. Tanto a palavra latina (super-bia) quanto a palavra grega (yper-phania) apontam para a realidade do soberbo: querer ser super.


A soberba mostra uma dificuldade em experimentar-se

e reconhecer-se como criatura,

como limitado, dependente...


Ainda que pareça exagero, o caminho do soberbo termina no ódio a Deus. Como?! Imagina-se uma vida em que se tem a impressão de que todos, incluindo Deus, sejam um limite para a sua manifestação como super. Todos se tornam inimigos do soberbo, até mesmo Deus.


Estar acima dos outros é a vestimenta mais comum do soberbo, entretanto pode vestir indumentárias mais sutis que passam despercebidas.


O soberbo frequentemente se sente injustiçado.

Ninguém o ama suficientemente, ninguém o reconhece suficientemente.