Crise financeira? A Igreja faz outras contas

Vaticano no vermelho e nossas paróquias também. Sabe por quê? Porque nossa missão é anunciar o Evangelho e não fazer negócios...

Mas poucos entendem isso.


Foto durante homilia na Igreja são Pedro.

Há mais de três meses nossas Igrejas estão fechadas para o culto público, nossas romarias, nossas quermesses e procissões foram canceladas.


Nós padres não sabemos até onde nós mesmos podemos ser portadores de uma doença e não da boa notícia. E não é falta de fé, é apenas conhecimento sobre o que se passou na Itália, na Espanha e tantos outros países. Padres que celebraram em conventos e junto de si levaram um vírus que devastou conventos, casas de repouso e hospitais.


Não fechamos nossas Igrejas para descansarmos no sofá das casas paroquias. Muitos tivemos que aceitar usar as redes sociais, mexer nelas e passar vergonha nelas para tentar ficar mais perto do povo. Lives, catequeses online, telefonemas e tantas novas rotinas foram imediatamente incorporadas à evangelização.


De um domingo em contato com uma multidão a outros dias sem ver ninguém, a não ser trocar mensagens por celular...

Tudo que sabíamos, tudo o que fazíamos e para o quê havíamos sido preparados, tudo isso se modificou.


Infelizmente, mesmo dentro de nossas comunidades houve aqueles que primeiro pensaram nas contas antes mesmo de se perguntar como seria a evangelização, a situação do povo ou do pastor. Mas Deus nunca desamparou aqueles que O invocaram.


Padres ficaram sem contato com seu rebanho e católicos “pipocantes” perceberam a importância de pertencer a uma comunidade, identificar-se com uma comunidade, ser acompanhado por um pastor e apoiar sua comunidade.


Talvez a pandemia chamou a atenção para excessos e negligências de muitos lados, mas revelou que a Igreja não é casa de comércio e nunca foi.


Não hesitamos em cuidar de nosso povo mesmo quando este não entendia que rumo deveria ser tomado. Noites em claro, orações confusas e necessidade de dar respostas para perguntas que nunca havíamos formulado. Mas Deus nunca desampara.