top of page

Sociedade do amor ou do ódio? A campanha da fraternidade 2024

Conversão pessoal, comunitária e social

Há sessenta anos a Igreja no Brasil propõe para o tempo da quaresma a Campanha da Fraternidade para que busquemos a conversão não apenas no âmbito individual, mas também comunitário e social. Isso porque ao falar de pecado não é possível pensar que pecado seja apenas um problema somente seu, isolado das relações sociais que você participa.

Por exemplo, a mentira que impede as pessoas de pensarem bem e agirem bem; a violência que desestabiliza todos os níveis de relações interpessoais; a indiferença ao meio ambiente que sofre é também indiferença às novas gerações; a ganância que leva ao jeitinho da corrupção e pode se fazer presente no maior ao menor da sociedade; tudo isso indica que agir bem ou mal não são coisas apenas do indivíduo, mas também das relações comunitárias e sociais. É por causa disso que todos os anos a Igreja no Brasil por meio da CNBB chama a nossa atenção para as dimensões sociais do pecado nesse tempo tão sagrado da quaresma.

 

Passar do ódio à amizade social

A grande preocupação da CF 2024 (Campanha da Fraternidade desse ano) é a FRATERNIDADE E AMIZADE SOCIAL. E esse tema é iluminado pelas palavras de Jesus: “Vós sois todos irmãos e irmãs.” (cf. Mt 23,8) A CF 2024 chama a nossa atenção para um fenômeno que todos nós já experimentamos ou testemunhamos em algum momento: o ódio ao irmão.

No texto base da CF 2024, encontramos duas expressões que merecem nossa atenção. A primeira é a síndrome de Caim (cf. Gn 4,1-9; CF 2024 nº 53-63) que relembra o ódio que inflamou Caim a matar seu irmão Abel. A segunda expressão é alterofobia (CF 2024 nº 72-76) que indica aquela aversão desproporcional e transtornada a tudo aquilo que não se parece com os meus gostos, as minhas ideias.

Ambas as expressões denunciam uma tendência em nós de transformar a diferença que reconhecemos no outro em convite para o ódio. Começa pelo ignorar, isolar, contrapor injustamente chegando até o desejo de destruir o outro, querer sua morte real ou cancelamento digital.

É nesse ponto que FRATERNIDADE E AMIZADE SOCIAL se tornam um convite à conversão. Não se trata de buscar no outro uma amizade comum. A amizade geralmente nasce quando encontramos pessoas que gostam das mesmas coisas que nós ou até mesmo não gostam das mesmas coisas que nós também não gostamos. O que se busca é uma amizade social, que vai além das nossas particularidades pessoais.

À luz dos ensinamentos do Papa Francisco, amizade social é ultrapassar as barreiras que criam divisões entre nós, é um desejo de abraçar a todos, mesmo quando o outro não se parece comigo nem com meus gostos, é libertar-se de querer controlar e dominar o outro, é vocação para construir um mundo de amor e não de ódio (cf. CF 2024 nº 16).

 

Quais passos e atitudes podemos dar?

A CF 2024 deixa para nós um conjunto de sugestões para o nível pessoal, comunitário-eclesial e social. Por necessidade de ser breve, vou apenas elencar algumas sugestões que a mim pareceram muito oportunas:

·      Trabalhar o autoconhecimento para não ser tão inseguro diante do outro (cf. nº 128 b);

·      Identificar em nós mesmos nossas guerras, falsidades, maquinações antes de apontá-las no outro (cf. nº 128 d);

·      Formar-se para a abertura à diversidade, ao diferente e ao contraditório (cf. nº 128 h);

·      Buscar em nossas comunidades a conversão pastoral, aprender com grupos extra eclesiais como eles cuidam dos mais vulneráveis e capacitar nosso povo a enfrentar o discurso de ódio (cf. nº 129 b, f, x);

·      Fomentar grupos e pastorais que cuidam daqueles que estão nas periferias existenciais (cf. nº 130 e);

·      Colaborar na denúncia de crimes de ódio e intolerância (cf. nº 130 h);

·      Conscientizar e formar nosso povo para a vivência no mundo das mídias para viver com mais entendimento e menos riscos de desinformação (cf. nº 130 l).

 

Padre Cleiton Viana da Silva é presbítero da Diocese de Mogi das Cruzes (SP), doutor em teologia moral pela Academia Afonsiana (Roma), mestre em bioética pelo Centro Universitário São Camilo, especialista em marketing e mídias digitais pela FGV, professor de teologia na Faculdade Paulo VI, autor por Editora Paulinas e ministra cursos presenciais e on-line. Conheça seus próximos cursos e atividades. Clique aqui.

246 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page