O que fazer diante do caos? O que está e o que não está em nosso controle?

É uma alegria e libertação romper meu silêncio no blog depois de quase dois meses. Agradeço sua preocupação e as provocações que alguns de vocês me enviaram. Como diz o livro do Eclesiastes, há um tempo para cada coisa e era tempo do silêncio, da oração e do estudo para reorganizar um pouco meu ritmo.


Minha ausência e este artigo têm uma coisa em comum: quando as coisas saem do controle, quando nossa percepção das coisas é um pouco caótica e os problemas se avolumam é importante parar e manter o mínimo que seja possível, concentrando as energias na reorganização das prioridades.


No caos você se sente “em casa?”

Você deve se lembrar que essa é a primeira pergunta que eu fiz no meu livro EMPREENDA COM FÉ. No livro ela tem um propósito que é ajudar o leitor a identificar os traços da sua vocação empreendedora, mas hoje percebo que ela abre para outras possibilidades de reflexão; percebo como as mesmas perguntas em momentos diferentes podem nos falar tanto.


O caos está por aí, às vezes próximo, às vezes distante, mas sempre nos desafiando a repensar nossa vida, avaliar nossas condições e nos empurra a assumir novas direções. Bendito o caos que nos renova!


Sentir-se “em casa” no caos é fundamental na vida de qualquer pessoa, mais ainda na vida do empreendedor, mas neste período mais conturbado que passei recentemente, descobri duas coisas que talvez possa ajudar você. E escrevo agora para compartilhar isso com você.


O mínimo e a excelência

Se o caos nos paralisa porque não temos controle nenhum sobre algumas coisas, quando somos capazes de reconhecer o mínimo que está sob nosso controle, começamos a dar passos para superar.


  • Se o caos é a pandemia, eu certamente não tenho controle sobre a descoberta da cura, sobre a invenção de vacinas ou sua distribuição em larga escala, mas eu tenho um mínimo diante de mim que posso cuidar: a distância nas interações, o esforço do isolamento e o cuidado com as medidas de higiene como uso da máscara e álcool gel.

  • Se o caos é a crise econômica, eu certamente não tenho controle sobre os rumos da economia nem sobre os fatores da política que nela operam, mas eu tenho um mínimo de controle sobre como eu trato as pessoas no meu dia a dia, se o serviço que ofereço é de boa qualidade, se construo relacionamento além da simples venda ou oferta de serviço.

Quem cuida do mínimo com excelência pode não superar sozinho o conjunto do caos, mas já identificou sua força para enfrentar. O mínimo é o detalhe, o mínimo é o comumente não lembrado, o mínimo é o que esperaríamos no lugar do outro. Trate o mínimo com excelência e já estará se sentindo “em casa” ainda que no caos instalado.


Qual é o caos que hoje assusta você e está paralisando sua vida? Qual é o mínimo que você pode controlar com zelo, dedicação e o máximo de entusiasmo? Identificar esse mínimo é dar passos na superação das crises.